sábado, 17 de fevereiro de 2018

Canção da Atenção


O cheiro do ralo
Quando as coisas curiosamente se tornarem tortas, estranhas, fora do lugar como uma foca albina, não sinta pena de si mesmo, nem de nada, nem de voo. Quando as coisas se esquecerem delas próprias, não se esqueça. Se alguma coisa for engano, se algum engano for a coisa, o meio termo de tua vida não deve te deixar de cama. A um nível cósmico tua vida não importa. A um nível micro, há mais coisas a fazer. O teu pequeno incômodo não se encontra nem na alta nebulosa nem na urgência do banheiro, na pequenez do ralo entupido, da banheira. Confie que o universo sabe tomar conta de si. Quando tua meia vida parecer errada, faça o que é preciso fazer, dê atenção ao que precisa ser atentado. Ajoelhe-se e limpe o ralo. Não há qualquer razão para tua mente estar em outro lado, em outro estado. Se a água não escoa mais, se é de limpeza que ali precisa, chegue lá, faça aquilo. De joelhos nos ladrilhos, com as mãos - de preferência -, seja a limpeza. Ouça as nebulosas longe se movendo, ouça estrelas, olhe a água suja a ser sugada novamente. Se o ralo entope, limpe-o. Não há qualquer razão que te autorize a não fazê-lo.
Leandro Durazzo

''Cada um descobre o seu anjo tendo um caso com o demônio.'' Mia Couto

sábado, 10 de fevereiro de 2018

... in the presence of a human being.

A Ghost Story, David Lowery, 2017

In solitude we are in the presence of mere matter (even the sky, the stars, the moon, trees in blossom), things of less value (perhaps) than a human spirit. Its value lies in the greater possibility of attention. If we could be attentive to the same degree in the presence of a human being.
SIMONE WEIL

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

Mataram a Cristo, / furiosos, porque Ele / era apenas Deus.

in http://www.fundamentos.pt/testemunhos-simone-weil/
«O desejo, orientado para Deus, é a única força capaz de fazer elevar a alma. Ou melhor, apenas Deus vem apoderar-se da alma e a eleva, mas apenas o desejo obriga Deus a descer. Ele não vem senão para os que lhe pedem que venha, e para aqueles que pedem frequentemente, prolongada, ardentemente, Ele não pode impedir-se de descer.»
(…)
Deus é fraco
porque é imparcial.
Manda os raios do sol
e a chuva
tanto sobre os bons
como sobre os maus.
Esta indiferença do Pai
e a fraqueza de Cristo
correspondem-se.
Ausência de Deus.
O Reino dos Céus
é como um grão de mostarda…
Deus não muda
nada de nada.
Mataram a Cristo,
furiosos, porque Ele
era apenas Deus.
 Simone Weil


domingo, 4 de fevereiro de 2018

Porque aqueles que nos dão o fogo celeste, / Os deuses, também nos dão a dor sagrada.


Terra natal 

Hölderlin


Alegre regressa o marujo ao rio tranquilo,
De longínquas ilhas, quando colheu seu lucro;
Também eu voltaria assim à terra natal, tivesse eu
Tantos bens colhido como dores colhi.
Ribeiras queridas, que outrora me criastes,
Acalmais vós as dores do amor? Prometeis-me vós,
Bosques da minha juventude, se eu
Voltar, mais uma vez repouso?
Junto ao regato fresco, onde vi brincar as ondas,
Junto ao rio, onde vi singrar os barcos,
Em breve eu estarei; a vós, montes amigos
Que outrora me abrigastes, da minha terra
Seguras fronteiras veneradas, à casa materna
E aos abraços dos irmãos amado,
A todos saúdo em breve, e vós me envolvereis,
Que, como em faixas, o coração me sare,
Ó meus fiéis! Mas eu sei, eu sei,
A dor do amor, essa não cura tão breve,
Essa não me afasta do peito
Nenhuma canção de embalo, que mortais cantem.
Porque aqueles que nos dão o fogo celeste,
Os deuses, também nos dão a dor sagrada.
Por isso esta fique. Filho da terra
Pareço eu: feito para amar, para sofrer.
Obras Completas II, Fundação Calouste Gulbenkian, 1997
tradução de Paulo Quintela

Porém, isso não me impediu de ver plêiades / cada vez que surgias



Provavelmente noutro tempo, 

noutras circunstâncias. Daniel Jonas


Provavelmente noutro tempo, noutras circunstâncias
chegaríamos a iguais resultados
pelo que de nada adianta imaginar um almagesto
ou tabelas de paralaxe para isto
a que convencionalmente chamamos amor,
nem calcular o ângulo
entre nós e o centro da terra,
de nada nos aproveitara, tu e eu
centros escorraçados de irregular gravitação.

Porém, isso não me impediu de ver plêiades
cada vez que surgias (só
não te dizia nada) plêiades iluminando
meu Hades
com suas cabrinhas coruscantes
pascendo
o vale da sombra da morte.

E a questão hoje é: who’s gonna drive you home tonight?
quando o melancólico transístor
destila também outras perguntas, mas nenhuma
tão dura quanto essa,
por exemplo: porque é que a água tem mais tendência
a subir em tubos estreitos
ao contrário do mercúrio?
Isto é view-master e são coisas que faço
na tua ausência.

Daniel Jonas
Os fantasmas inquilinos, Livros Cotovia, 2005

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

Deixámos a transparência / Ser do tamanho daquilo / Que vimos reflectido

Quanto não teríamos dito

Se não fossem essas janelas,
Altas, de onde pudemos ver
Os espaços abandonados
Da nossa existência.

Quanta não seria
A ausência sem esses vidros
A deixar ver a desolação
Depois posta à prova
E ocupada com traços

Feitos por dedos ondulantes e
Com ervas rasteiras e cheirosas.
Deixámos a transparência
Ser do tamanho daquilo
Que vimos reflectido

Na superfície
Dos nossos olhos, no brilho
Da boca enquanto dizia
As palavras de uma infância
De agora com os pés descalços.


Rui Almeida, in A Pedra Não Pode Ser Coração, do lado esquerdo, Setembro de 2017, p. 40.

Vida e Ventura.

''Voltei a ser boa e não ouvirei aqueles diabos interiores. Pode censurar-me por ser infeliz às vezes,  por só ver de longe o que me é vida e ventura? Mas juro que serei um modelo exemplar de paciência e brandura.''
Rosa Luxemburgo, Margarethe Von Trotta, 1986

sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

“Um ser humano é parte do todo por nós chamado “universo”, uma parte limitada no tempo e no espaço."



“Um ser humano é parte do todo por nós chamado “universo”, uma parte limitada no tempo e no espaço. Nós experimentamo-nos, aos nossos pensamentos e sentimentos, como algo separado do resto – uma espécie de ilusão de óptica da nossa consciência. Esta ilusão é uma espécie de prisão para nós, restringindo-nos aos nossos desejos pessoais e ao afecto por algumas pessoas que nos são mais próximas. A nossa tarefa deve ser a de nos libertarmos desta prisão ampliando o nosso círculo de compreensão e de compaixão de modo a que abranja todas as criaturas vivas e o todo da Natureza na sua beleza”
~ Einstein, The Expanded Quotable Einstein, Princeton University Press, 2000, p.316.

Alessandra Sanguinetti

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

''A pele é a verdadeira linha do horizonte, cuja verdade é não existir.'' Paulo Borges

{o inferno das coisas inventadas}

(...)
Como quem força a mão de um deus,
vivo debruçado em poços a escutar
os céus, raízes ardentes, altas caçadas
a poeira que mais alto se levanta, e dentro
o inferno das coisas inventadas,
de mãos juntas, umas vezes suplico
um tremor que possa apaziguar-me,
outras cuspo nelas três vezes
como um velho soldado,
e sigo em direcção ao desconhecido
sabendo que tragédia nenhuma
me encheria hoje as medidas.

Diogo Vaz Pinto